What did Manet's infamous Olympia and Degas' Absinthe have in common? They both addressed the shady - yet almost always present of the 17th century - topic of prostitution. I just came back from the first major exhibition on the subject, at the Musee d'Orsay and became as fascinated by the people and places involved with prostitution as the very artists who depicted it. After all, they were the trendsetters of the time. Through the exhibit, I understood the various status that a prostitute could take on, from a courtesan to a pierreuse (a woman on the streets) - roles that the art of the time certainly helped to propagate in society at that time.

That being said, the D'Orsay certainly addressed a taboo subject that needed to be visited and discussed - and isn't that one of art's most important roles? To make us review the forbidden and uncover the hidden?


O que a infame Olympia de Manet e Absinthe de Dega têm em comum? Ambos trataram do tópico obscuro — e ainda sempre presente no século XVII — da prostituição. Eu acabei de voltar da minha primeira grande exposição sobre o assunto, no Musee d'Orsay e fiquei tão fascinada pelas pessoas e lugares envolvidos com prostituição quanto os próprios artistas que os retrataram. Afinal, elas foram as trendsetters da época. Ao longo da exposição, eu entendi os vários status que uma prostituta pode ter, de uma cortesã a uma pierreuse (uma mulher das ruas) — papéis que a arte da época certamente ajudou a propagar na sociedade naquele tempo.

Tendo dito isso, o D'Orsay certamente tratou de um assunto tabu que precisava ser visitado e discutido — e esse não é um dos papéis mais importantes da arte? Fazer-nos rever o proibido e descobrir o que está escondido?


YOU MAY ALSO LIKE


Comment